Polícia prende 30 suspeitos de ataques em SC

Foto: Polícia Civil / Divulgação
- Publicidade -

A Polícia Civil prendeu nesta sexta-feira (8) 30 pessoas suspeitas de envolvimento nos ataques cometidos em Santa Catarina desde 31 de agosto. O Poder Judiciário expediu 72 mandados de prisão e 55 mandados de busca e apreensão na Operação Hidra de Lerna.

A ação, coordenada pela Divisão de Investigação Criminal de Balneário Camboriú, aconteceu em Joinville e seis cidades do Litoral Norte: Balneário Camboriú, Camboriú, Itapema, Navegantes, Penha, Balneário Piçarras.

Entre os presos, seis são mulheres. Até as 13h, foram cumpridos 44 mandados de prisão. Desse total, 14 suspeitos já estavam detidos no sistema prisional. Outros cinco adolescentes foram apreendidos com drogas durante a operação.

Conforme o delegado Osnei de Oliveira, os detidos, além de integrarem uma organização criminosa e serem suspeitos de associação por tráfico e tráfico de drogas, também são investigados por homicídios.

“Na morte do policial militar que ocorreu em Camboriú, na participação em um crime onde executaram um faccionado, que teve a cabeça decepada e as mãos amputadas, também ocorrido na cidade de Camboriú há pouco mais de um mês, e outros delitos, como tentativa de homicídios ocorrido tanto em Navegantes quanto em relação ao atentado que ocorreu na Delegacia da Mulher de Balneário Camboriú”, explicou o delegado Osnei de Oliveira.

“A Operação Hidra de Lerna remete a mitologia grega, em que Hidra de Lerna era um monstro, filho de Tifão e Equidna que possuía várias cabeças, e ao cortar uma delas, outras duas nasciam em seu lugar. A atuação desta facção também se dá com o surgimento de novas cabeças quando se ataca apenas os executores que são facilmente substituídos”, informou a Polícia Civil, em nota.

Na madrugada, um suspeito foi detido em Florianópolis, mas, conforme a polícia, esta prisão não faz parte da operação.

Operação Independência

Na quinta (7), a Operação Independência, prendeu 18 pessoas suspeitas de envolvimento nos ataques cometidos em Santa Catarina desde 31 de agosto. Ao menos seis entre os 18 são mulheres de detentos, conforme a polícia. Ao total foram cumpridos 42 mandados de prisão, desses, 29 suspeitos já estavam detidos no sistema prisional.

“São operações que buscam o mesmo fim, ou seja, desarticular as organizações criminosas que atuam no estado, porém elas tramitaram de forma independente. Óbvio havendo correlação e troca de informações, mas a operação independência foi conduzida pela Deic e essa está sendo conduzida pela DIC”, disse o delegado Oliveira.

Ataques

Desde 31 de agosto, ao menos 23 cidades foram alvo de ataques criminosos. Bases da PM, delegacias, órgãos estaduais e municipais e casas de policiais foram atingidos, em mais de 50 ocorrências. Veículos também foram incendiados.

Com informações do site G1/SC

Foto: Luiz Souza/NSC TV
COMPARTILHAR