Hospital São José lança programa de combate ao tabagismo

Foto: Divulgação
- Publicidade -

O tabagismo passivo mata cerca de 600 mil não fumantes todos os anos no mundo, dos quais 165 mil são crianças menores de 5 anos, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), que considera a epidemia de tabagismo a maior ameaça à saúde pública atualmente.

Neste ano, a OMS lançou a campanha “Tabaco: uma ameaça ao desenvolvimento”, que está sendo reforçada pelo Instituto Nacional do Câncer (Inca), em alusão ao Dia Nacional de Combate ao Fumo, celebrado em 29 de agosto.

Para que esta conscientização se torne uma constante, o Hospital São José de Criciúma, por intermédio de seu Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho – SESMT, inicia o programa: “Hospital Livre do Fumo”.

A data existe para conscientizar e reforçar a população sobre os malefícios e problemas causados pelo cigarro.

“Sabemos que o uso do cigarro ainda é muito alto em grande parte da população, apesar do números estarem caindo ano a ano. Queremos que as pessoas tenham a consciência sempre, de que o uso do cigarro só causa problemas”, ressalta Luana Roecker, enfermeira do SESMT.

Dados do Ministério da saúde apontam que “o Brasil ocupa o oitavo lugar no ranking de número absoluto de fumantes (7,1 milhões de mulheres e 11,1 milhões de homens)”. Mas algo interessante também vem acontecendo no país; o Brasil esta entre os campeões de quedas do volume de pessoas que consomem tabaco.

E para continuar trabalhando esta ideia e conscientizar as pessoas sobre os malefícios que o cigarro causa a saúde, o HSJosé inicia um novo projeto nesta terça-feira (29).

Enfermeiras do hospital e profissionais da saúde do SESC estarão neste dia, das 9h às 09h30 e das 14h30min às 15h, no hall principal da entidade, em uma ação de alerta, repassando orientações e fazendo experiências para demonstrar toda a problemática causada pelo uso do cigarro.

O objetivo é reforçar as pessoas que circulam na Instituição por meio de experimentos, o que acontece no organismo quando se utiliza o tabaco.

O evento é aberto ao público em geral. Colaboradores, pacientes e acompanhantes podem interagir e participar do momento informativo.

Até final do ano diversas outras atividades serão realizadas para continuar comunicando as pessoas sobre este problema que traz sérios riscos a saúde.

Foto: Katia Farias / Assessora de Comunicação
COMPARTILHAR