CNH passa a ter código QR-Code para evitar fraudes

Nova CNH, com código de segurança, será adotada à medida que antigas forem vencendo.

Foto: José Cruz/Agência Brasi

Uma nova tecnologia contra fraudes e cópias ilícitas da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) começou a ser utilizada pelo Departamento Nacional de Trânsito (Denatran). A nova carteira com o QR Code (Código de Resposta Rápida) substitui o modelo antigo.

A nova carteira com QR Code foi apresentada nesta terça-feira (09). A substituição das CNHs será de forma gradual, à medida que os motoristas forem renovando suas habilitações, que tem validade de cinco anos. A nova carteira não exige a substituição das CNHs cujo prazo de validade não tenha expirado.

A tecnologia permitirá que os dados dos motoristas brasileiros sejam acessados pela leitura do QR Code, que dará acesso ao banco de dados do Denatran, onde estará uma versão digital da CNH, com dados biográficos e foto do titular do documento.

Para o diretor do Denatran, Elmer Vicenzi, essa segurança não fica somente no campo da documentação de trânsito. “Essa implementação vai permitir a toda sociedade conferir a foto. Qualquer setor da sociedade poderá ter acesso, seja numa relação civil, seja numa relação empresarial, como bancos, cartórios e empresas de locadoras de veículos”, por exemplo.

Em Urussanga

De acordo com o Detran (Ciretran) de Urussanga, ainda não foram confeccionadas Carteiras de Motoristas com esse novo código, na cidade, mas é provável que as próximas  revalidações já possuam o QR Code.

 

Aplicativo de leitura

O aplicativo responsável por realizar a leitura do código é o “Lince”, já disponível para sistemas Android e iOS. Segundo a presidente do Serpro, Glória Guimarães, o QR Code da CNH é diferente dos comumente utilizados. “O que nós desenvolvemos foi uma combinação do QR Code existente hoje, que divulga apenas dados textuais, mais a fotografia, através de um software chamado H264, todo em software livre”, explicou.

O Denatran não prevê nenhum custo adicional aos motoristas, mas, como a emissão da CNH é regulamentada pelos estados, caberá às unidades da Federação regulamentar a taxa a ser cobrada.

 

 

 

 

COMPARTILHAR